‘Enfrentar algo desconhecido não é fácil’, diz marido da 1ª paciente diagnosticada com Covid-19 no DF

0
24


Mulher, que teve alta nesta terça-feira (16), passou 105 dias internada e ficou em coma induzido. ‘Víamos nos olhos das pessoas que ninguém tinha conhecimento algum acerca dessa situação’, afirma empresário. Primeira paciente com covid-19 no DF recebe alta
“A vinda dela pra casa supera qualquer tipo de situação que passamos”. O desabafo é do empresário André Luís Sousa, marido da primeira paciente diagnosticada com o novo coronavírus no Distrito Federal (DF). Ela recebeu alta do hospital nesta terça-feira (16), após uma internação de 105 dias.
Paciente que testou positivo para coronavírus no DF está internada em UTI
Após quase três meses, primeira paciente diagnosticada com Covid-19 no DF recebe alta da UTI
Primeira paciente diagnosticada com Covid-19 no DF está curada e foi transferida do Hran
A mulher, de 52 anos, também foi o primeiro caso grave de Covid-19 no Brasil. Ela passou três meses na UTI e ficou em coma induzido.
Na noite de terça, de casa, André – que também ficou doente, mas não precisou ser hospitalizado – falou pela primeira vez sobre o drama vivido pela família após uma viagem ao exterior, em fevereiro passado.
Ele conta que, mesmo querendo resolver o problema, “ninguém sabia como tratar a situação” e os profissionais também buscavam entender a doença. “Enfrentar algo desconhecido não é fácil”, afirma.
“Víamos nos olhos das pessoas que ninguém tinha conhecimento algum acerca dessa situação, era como se estivéssemos com algo completamente desconhecido pra nós e pra área médica.”
Após 105 dias, primeira paciente diagnosticada com Covid-19 no DF recebe alta e vai para casa
Divulgação
A viagem para a Europa
Antes da pandemia, o casal viajou a trabalho para o exterior. André conta que na agenda não havia locais apontados com o risco de contaminação. “Se não, não iríamos e colocaríamos em risco a nossa própria vida, o que seria incoerente”, explica.
Ao retornar para Brasília, os dois sentiram cansaço e “um leve resfriado”, lembra André Sousa. “Pra nós, parecia algo comum ao retornar de viagem, devido as longas horas dentro do avião, e porque na Europa estava frio”, diz o empresário.
“Não era nada que nos chamaria muita atenção, que estivesse fora da curva de uma gripe, resfriado, sinusite.”
Por conta do cansaço e da suposta gripe, o casal ficou em casa por três dias. Mas, nesse tempo, a esposa de André começou a apresentar um cansaço mais acentuado e eles buscaram atendimento em uma clínica do Lago Sul, onde moram.
“Foi aí que chamou a atenção do médico e iniciamos essa jornada.”
Mulher que testou positivo para coronavírus no DF chega ao HRAN, entubada, no dia 6 de março
Primeiros sintomas, o teste da Covid-19 e vida por um fio
Os médicos identificaram a enfermidade da esposa do empresário como cansaço, mas não descartaram a chance de ser uma doença viral. Era começo de março, e os primeiros casos de coronavírus surgiam no país à época.
Paciente do DF testa positivo para coronavírus; contraprova é aguardada
Após a confirmação da Covid-19, André conta que foi um momento de preocupação. “O quadro dela se agravou rapidamente e não deu nem tempo pra pensar muito naquele momento”, recorda.
A esposa dele não poderia ser internada junto com os demais pacientes da UTI. Por isso, diz André, o hospital teve que adotar estratégias rápidas para que ela fosse internada o quanto antes.
“Ela não conseguia respirar e teria de ser entubada na enfermaria.”
Mulher que testou positivo para coronavírus no DF chega ao Hospital da Asa Norte (HRAN), no DF, em 6 de março
TV Globo/Reprodução
O empresário afirma que o procedimento salvou a vida da esposa. “Isso foi decidido tecnicamente, e agradeço a Deus, e a equipe médica que tomou a decisão. Não dava para esperar a UTI para ela ser entubada”.
Mulher que testou positivo para coronavírus no DF está isolada em hospital público
Mas, lembra André, “a luta estava apenas começando”. Ele conta que foram momentos difíceis e que o suporte que teve foi à distância. As duas filhas do casal moram em São Paulo e não puderam vir para Breasília.
“Esse foi um dos grandes desafios de ser superado em casa, porque nem minhas filhas estavam aqui.”
Sem poder ver a esposa
As únicas notícias que André tinha da esposa eram por meio dos boletins médicos e do canal de comunicação que criou com a equipe de saúde, ao longo de 105 dias. “Recebia ligações do médico que estava de plantão e ele me passava um quadro geral da situação”.
No entanto, diz ele, “houve muito desencontro de informações”. A doença era nova e a esposa do empresário era a primeira paciente internada pela Covid-19.
“Ninguém tá preparado pra situações dessa natureza, o ser humano nunca tá preparado pra isso.”
Após 105 dias, primeira paciente diagnosticada com Covid-19 no DF recebe alta
Na terça-feira, a família diz que travou uma batalha e, com o empenhos das equipes de saúde, conquistou “uma grande vitória”. Segundo André, “as marcas ficam, mas o aprendizado também fica”.
“Eu diria que nossa família hoje é diferente. Como diz minha esposa, aquilo que não te derruba te fortalece.”
*Sob supervisão de Maria Helena Martinho
Initial plugin text
Leia mais notícias da região no G1 DF.