Forças de segurança dispersam protesto contra o governo do Líbano após explosão em porto de Beirute


Militares usaram gás lacrimogêneo contra manifestantes 2 dias depois de uma grande explosão no porto da capital que deixou mais de 150 de mortos e 5 mil feridos. Um manifestante é retratado em meio à fumaça de gás lacrimogêneo durante um protesto perto do parlamento em Beirute
Mohamed Azakir/Reuters
As forças de segurança do Líbano usaram gás lacrimogêneo nesta quinta-feira (6) para dispersar dezenas de manifestantes que se reuniram próximo ao parlamento libanês em protesto pela explosão de terça no porto de Beirute. O protesto, contra o atual governo, acusa de corrupção os governantes.
Macron promete a moradores de Beirute que ajuda após explosão não irá para ‘mãos corruptas’
Brasileira mostra destruição no bairro onde mora em Beirute, no Líbano
Segundo a agência oficial de informações do país (conhecida pela sigla NNA), os manifestantes teriam vandalizado lojas e jogado pedras nos agentes de segurança que reagiram e deixaram vários manifestantes feridos.
Protestos tomam as ruas de Beirute, no Líbano, após explosão que deixou 157 mortos
A disputa acontece às vésperas de uma grande manifestação contra o governo do Líbano, programada para acontecer no próximo sábado no país que enfrenta uma crise econômica sem precedentes. A estimativa inicial do governo de que é que a tragédia causou danos de US$ 3 bilhões (R$ 15,9 bilhões) a US$ 5 bilhões (R$ 26,5 bilhões).
Soldados do Exército libanês dispersam protesto perto do parlamento em Beirute
Mohamed Azakir/Reuters
Na terça (4), uma enorme explosão no porto de Beirute deixou pelo menos 157 mortos e 5 mil feridos. Nesta quinta, as escavadeiras do exército abriam estradas para ter acesso ao porto destruído. O país está sob estado de emergência.
Funcionários presos
Ao menos 16 funcionários do porto de Beirute e autoridades alfandegárias foram detidos no âmbito da investigação sobre as explosões de terça-feira de um depósito com toneladas de nitrato de amônio, informou nesta quinta um promotor militar.
São funcionários “do conselho de administração do porto de Beirute e da administração de alfândegas e encarregados de trabalhos de manutenção e (operários) que realizaram trabalhos no armazém” onde era guardado o nitrato de amônio, informou o promotor militar Fadi Akiki em um comunicado.
Manifestantes atearam fogo em entulhos durante um protesto perto do parlamento em Beirute
Mohamed Azakir/Reuters
Nitrato de amônio
O nitrato de amônio se apresenta como um pó branco ou em grânulos solúveis em água e é seguro – desde que não aquecido. A partir de 210 °C, decompõe-se e, se a temperatura aumentar para além de 290 °C, a reação pode tornar-se explosiva.
Um incêndio, tubos superaquecidos, fiação defeituosa ou relâmpagos podem ser suficientes para desencadear tal reação em cadeia.
Passo a passo mostra os detalhes da explosão em Beirute, no Líbano, que ocorreu na terça-feira (4)
Guilherme Luiz Pinheiro/G1
Initial plugin text