Fumaça de incêndios no oeste dos EUA chega a Nova York


Balanço mais recente diz que mais de 30 pessoas morreram por causa das queimadas, que afetam os estados de Califórnia, Oregon e Washington. Fumaça deve se dissipar em dois dias. Prefeito de Nova York, Bill de Blasio, durante passeio em Coney Island nesta terça-feira (15)
Brendan McDermid/Reuters
A fumaça dos incêndios que devastam o oeste dos Estados Unidos atravessou o país e alcançou nesta terça-feira (15) o céu de Nova York.
De acordo com especialistas em meteorologia, a fumaça deverá permanecer a uma altura de 4,5 mil a 6 mil metros acima de Nova York. Assim, o céu da cidade ficou com uma névoa leve nesta terça.
Há dias a fumaça estava presa acima da costa oeste devido a uma área de maior pressão na atmosfera. Na segunda-feira, a nuvem começou a se mover rumo ao leste do país.
Mais de 20 pessoas estão desaparecidas desde que os incêndios avançaram por Oregon, EUA
Desde segunda-feira à noite, o Serviço Nacional do Clima menciona a presença de fumaça do oeste dos Estados Unidos e visível em fotos de satélites. Na quinta-feira, o fenômeno deve começar a se dissipar em Nova York.
Embora a fumaça tenha provocado alertas em cidades como Vancouver, no Canadá, e em Portland, Oregon ou San Francisco, acredita-se que ela terá impacto limitado na qualidade do ar de Nova York, de acordo com os especialistas.
VEJA TAMBÉM: Fumaça de incêndios deixa céu de San Francisco alaranjado
Incêndios nos EUA
Incêndio de grandes proporções atinge mata em Chico, na Califórnia, na segunda-feira (14)
Maxar Technologies/Handout via REUTERS
Os incêndios na costa oeste dos EUA deixaram 36 mortos e dezenas de desaparecidos, segundo levantamento mais recente. A situação é mais crítica nos estados de Washington, Oregon e Califórnia, onde há ao menos 86 focos. No total, cerca de cinco milhões de hectares foram devastados pelo fogo.
Na segunda-feira, o presidente Donald Trump visitou a Califórnia e participou de encontro com o governador Gavin Newsom, que integra a oposição, e autoridades locais de combate aos incêndios.
Alertado sobre a influência das mudanças climáticas nas queimadas nos EUA, Trump minimizou o impacto da ação do homem no aquecimento global. “Vai começar a esfriar, você vai ver”, disse o presidente na reunião.